I amor do cupido

O Cupido trata-se de uma das principais simbologias da paixão e do amor. Ele é representado por um garoto romano alado, munido do arco e da flecha do amor. Para a Mitologia Grega, ele representa o Deus Eros. De acordo com essa cultura, ele seria filho de Vênus – a Deusa do amor e da beleza – e de Mercúrio – Deus mensageiro. As Qualidades do Arquétipo do Cupido Atrair um Relacionamento Amoroso. De acordo com a sua mitologia, o Cupido “Deus Eros” viveu um grande amor com Psyqué, a deusa da alma.. Por sua vez, Cupido andava sempre com o seu arco, pronto para disparar sobre o coração de homens e deuses. ENCYCLOPEDIA. EROS (Erôs), in Latin, AMOR or CUPI′DO, the god of love. In the sense in which he is usually conceived, Eros is the creature of the later Greek poets; and in order to understand the ancients properly we must distinguish three Erotes: viz. the Eros of the ancient cosmogonies, the Eros of the philosophers and mysteries, who bears great resemblance to the first, and the Eros whom ... do Amor a ilustre prosápia, e de Cupido as proezas. Dizem que de clara escuma, dizem que do mar nascera, que pegam debaixo d’água as armas que o amor carrega. O arco talvez de pipa, a seta talvez esteira, despido como um maroto, cego como uma toupeira E isto é o Amor? É um corno. do Amor a ilustre prosápia, e de Cupido as proezas. Dizem que de clara escuma, dizem que do mar nascera, que pegam debaixo d’água as armas que o amor carrega. O arco talvez de pipa, a seta talvez esteira, despido como um maroto, cego como uma toupeira E isto é o Amor? É um corno. Navegue pela seção de produtos para casamento Amor Do Cupido da Zazzle. Escolha diversos produtos que irão deixar o seu dia ainda mais especial! A Cupido do Amor Mensagem ao vivo e Telemensagem Rio de Janeiro, teve início no ano de 1999, com os Serviços de Carro de mensagem, Telemensagem, Cestas para todas ocasiões, Floricultura, Aniversários, casamento, loucura de amor, amizade, declaração, reconciliação, formatura, noivado, conforto, evangélico, Dia das Mães, Dia dos Pais, Dia dos Namorados,chá revelação e muitos outros.

Gente de Reddit, ¿Porqué no se le declararon a la persona que les gustaba?

2020.07.30 08:11 JorgeCast1_ Gente de Reddit, ¿Porqué no se le declararon a la persona que les gustaba?

Para entrar en calor yo les contaré mi historia con este tema:
Cuando entré a la escuela (específicamente la secundaria), me enamoré de una chica la cual yo creía diferente a las demás, que era hermosa y todas las cosas que piensas de una persona cuando te enamoras.
El punto es que yo quise hablar con ella, pero en ese momento algo en mi mente me decía: "No lo hagas". Siempre estaba ese sentimiento de que algo me iba a terminar mal, así que mejor me guarde los sentimientos.
(Luego de esto estuvo quedando con un tipo el cual en palabras de sus amigos era un "Envidioso e hipócrita", lo cuál me hizo cuestionarme mucho sobre mi y el que tanto valgo)
Un año después ella se entera de esto gracias a un amigo (Consejo: Nunca mencionen estas cosas a sus amigos cuando son demasiado inmaduros como para comprenderlo ya que ese "secreto" lo sabrá media escuela), ella tiene la iniciativa de querer hablar conmigo, pero yo no respondo a esta, simplemente estaba aterrorizado por la idea de tener que hablar con ella.
Ella sabía que era una persona tímida, e incluso llego a hacer chistes de eso en los que ella se reía, y a mi no me quedaba de otra más que dar una sonrisa aunque estuviera pasando por el peor momento de mi vida.
Otro año después un amigo mío se metió en el papel de Cupido y nos hizo quedar a los dos en una charla en la cuál obviamente como todo un inseguro no quería estar ahí, pero al ya no haber ninguna escapatoria tuve que quedarme y comenzar a hablar con ella.
Tuvimos una conversación digna de niños de 1° de primaria preguntándonos cosas del tipo "¿Cuál es tu color favorito?", Hasta que mi amigo al no ver avance de mi parte le susurra algo a ella, después comienzan preguntas sobre el porqué me enamoré de ella, preguntas que no quería responder pero tuve que responder algunas, todo iba relativamente bien hasta que me preguntó lo siguiente: "Dime... ¿Qué sientes por mi?
Esa pregunta honestamente me quebró, no supe que decir, que hacer o que responder. Literalmente no respondí a esa pregunta.
Luego de eso me dice que está bien, que podemos ser amigos y cosas así, luego de esto se fue y nunca más volví a hablar con ella (Lo más ridículo de todo es que ella estaba en mi salón, y aún así entre ella y yo nos las arreglamos para no vernos a los ojos durante todo lo que duró la secundaria).
Ahora después de esto quisiera saber si a ustedes les pasó algo similar y si es así, ¿Porqué decidieron no declararle su amor a una chica/chico?
submitted by JorgeCast1_ to espanol [link] [comments]


2020.05.08 20:29 DanteNathanael Cárcel: c

Ambos yacen tendidos sobre la cama, mirando hacia el techo, tratando de recobrar el aliento que se les escapa antes de que puedan aprovecharlo al máximo. Gotas de sudor son generadas en toda la extensión de sus cuerpos desnudos, expuestos por todos lados excepto por los pies, a los vientos recorriendo todas las habitaciones, una a una, checando cada uno de sus hijos en esperanza de tomar a uno entre sus brazos, marchito, hecho de polvo, de olvido, para llevárselo consigo. Ella se cubre con la blanca sabana donde minutos antes su trasero y su espalda sufrían de placer. Para él ambos tejidos son iguales en color, en textura, en promesa: un suave descanso para descender al infierno del inconsciente y poder enfrentarse a él. Su respiración ha disminuído, sus ojos se han cerrado bajo pesadas pestañas cansadas. Él ha pensado en pintarla en esa posición, fotografiarla bajo una suave luz difuminada, cálida, fondo negro, rodeada de ángeles con pergaminos llenos de tesituras indescifrables más allá del título 27 de diciembre.
Y de pronto, con la entrada del viento, se da cuenta que esta paz puede ser rota en cualquier momento. Voltea a verla, puede tocarla, se acurruca a su lado, pero los dragones en su interior siguen rugiendo, haciendo preguntas que no puede responder, y con cada segundo de silencio aumentando su necesidad de ruido, de vida—no puede estar quieto, pues siempre que lo hace la verdad empieza a caer sobre él, la verdad de su amor, de su inminente destrucción. Nadie podía separarla de él, más que él, y eso era exactamente lo que estaba haciendo. Trata de calmarse, la abraza, intentando dormir a su lado, mientras el viento se acerca más y más hacía él. En ese momento la despierta colocando su pene entre sus nalgas. Todo da a entender que solamente quiere seguir haciéndolo, pero la verdad es que es un desesperado grito de ayuda en incógnito, su ansiedad célula a célula estratificada en una penuria de velos que difractan su imágen hacía un espectro de fuerza y virilidad con patinas de insinceridad. Ambos lo sienten en sus corazones. Nunca quieren aceptar la verdad. Al estar juntos en ese momento todo parece tan sencillo, todo parece estar bien. Recuerdan en cada pujido el mantra de vivir en el momento, disfrutarlo por lo que es y dejar todo a un lado, pero sus cuerpos actúan ya por si solos frente a una inminente destrucción, el apocalipsis cayendo del cielo acompañado de labial, perfume, alcohol y mierda.
Cuando no lo ve es cuando seca rápidamente sus lágrimas. Sabe lo que tiene qué hacer, pero no sabe cómo hacerlo. Sabe que la ama, que la adora, y que el sentimiento es mutuo, pero todo lo que existe por encima es una profecía esperando pacientemente en las esquinas de cada habitación, en los lugares más obscuros de la sombra de los árboles, en los fondos de las botellas, en las moléculas de azúcar, de metanol, de ADH, de catalasa, oxitocina, serotonina, dopamina, noradrenalina, prolactina, placer, orgasmo, dolor, muerte, recuerdos, olvidos, promesas, mentiras, secretos encadenados en anillos unos sobre otros formando la base de la gran serpiente tragando su propia cola, listo para derramarse y envenenar cada lágrima, cada confesión, cada pequeño pedazo de verdad como una vil y bien planeada mentira. Así, el agente oxidativo del tiempo y su siempre activa promesa "más vale tarde que nunca," se convierte en la muerte irrefutable que siempre ha sido y que siempre habían tratado de convencerse no era así, que no era posible, que el amor prevalecería. . . .
Don Cupido tenía tiempo libre, siempre tiene tiempo libre, así que atraviesa la ciudad para sentarse en el diorama mental de Felipe, y empieza a ver una escena reconocida. La exposición de esta tarde, después de haberse despedido de ella y evadido el pensamiento de hacerse daño en secreto, aventarse a las vías en el momento más oportuno, dejando atrás una nota con mil disculpas escritas, en esperanza de que entendieran lo que pasaba, era "La crucifixión." De los cuatro vientos de la tierra llegaban dudas, insuficiencias, mentiras y sentimientos. El más temible de todos era el monstruoso Amor, que venía a reclamar al centro de la rosa, floreciendo apenas, enfermizo, cansado de haber nacido del deseo de proliferar su propia existencia, sobre el estado deplorable en el que se encontraba la tierra.
"En esta cláusula," señalando con sus garras negras, cutículas extendiéndose centímetros egocéntricos hacía los lejanos alcances de su obscuridad, el nombre de ella, "dice que la amas, y sin embargo," alzando ahora uno de sus brazos, tomando el sol y abriéndolo en dos, dejando caer un huevo obscuro, lleno de pequeñas manchas verdes, "sigues pisando el territorio del odio y de la miseria. Aquí no puede crecer ningún amor, en ti no puede haber algo tan puro si sigues escondiendo esto," y lo aplasta con una de sus grandes pezuñas, moviendo su cola como un perrito a punto de recibir un hueso, provocando un gran crack y un chillido demoníaco que hace en eco 6 vueltas por la extensión del horizonte. En ese momento la luz se va, y lo único que puede verse es el reflejo del alma en los ojos negativos de todos las legiones aquí para reclamar un pedazo de Felipe. En el completo anonimato de la negrura infinita, Amor sigue diciendo "nunca podrás ser perfecto, pero lo que eres ahora es repulsivo. Acéptalo y sigue adelante."
Al oír esas palabras, Cupido reconoce la obra, la había visto de forma mucho más primitiva y grotesca, una verdadera tragedia de Séneca, en su abuelo, Federico, y un poco más calmada, en su padre, Pedro. Pero esta era la primera vez que el centro de la rosa contestaba a cada una de las preguntas que se hacían entre la muchedumbre de puntos ardientes.
AMOR: Respóndele a mis hijos y nosotros te juzgaremos.
FELIPE: Me parece.
KETHER: ¿Estás dispuesto a enfrentarte a tu peor enemigo con tal de estar con ella?
F.: Si. Con quien sea.
Kether pone en sus manos un pequeño espejo.
K.: Dios te oiga.
BINAH: ¿Sabrás cómo enfrentarte a todo con calma, no culpando al enemigo, si no comprendiendo su posición, venciéndolo en la menor cantidad de movimientos?
F.: Así será.
Binah coloca en sus manos un marco circular de plata y cobre.
B: Dios te oiga.
CHOKMAH: ¿Podrás perdonar a tu enemigo y convertirlo en tu mejor aliado?
F.: Amen.
Chokmah deja caer en sus manos un palito de vidrio vacío.
C.: Dios te oiga.
GEBURAH: ¿Podrás castigar y apremiar cada comportamiento de cada persona que esté a tu cargo?
F.: Podré.
Geburah deposita suavemente en sus manos una botellita con un corcho.
G.: Dios te oiga.
CHESED: ¿Podrás oir las plegarias de tu corazón y del de los demás, para darles a cada quien lo que les corresponde?
F.: Si.
Chesed le da indecisa una pequeña cubierta ovalada de obsidiana.
C.: Dios te oiga.
TIPHERET: Yo, las estrellas de la constelación de Libra te hemos dado todo lo que podemos darte y conocemos ya la respuesta a nuestras posibles inquietudes. Solamente sigue adelante, hijo.
F.: Así lo haré, madres.
T.: Dios te oiga.
HOD: ¿Podrás, por más obscuro o ausente que sean el Sol y la Luna, brillar por tu propia cuenta?
F. Definitivamente.
Hod le da un paquetito lleno de pequeños clavos y tuercas.
H.: Dios te oiga.
NETZACH: ¿Podrás agradecer absolutamente todo lo que venga hacía tu, pues reconocerás que todo es para bien, y que las tragedias de la vida buscan simplemente pulirte?
F.: Claro que sí.
Netzach deja una gran perla sin nombre descifrable que parece contener a los espíritus de las luminarias dentro de si.
N.: Dios te oiga.
YESOD: ¿Podrás vencerme y hacerme tu fiel servidor no a base de amenazas, pero de amor?
F.: Cuenta con ello.
Yesod le da un magníficamente adornado manubrio hueco en forma de T, con las mismas decoraciones que el marco circular que le dió Binah.
Y.: Dios te oiga
Finalmente se presenta la última tempestad de la Mañana, Malkuth, sangrando, lleno de espadas y lanzas, ojos llorosos y derrotados. Se recuesta en los hombros de Felipe y levemente, apenas, puede decir
MALKUTH: ¿Podrás permanecer apegado a tu fe hasta verlo una realidad?
F.: Si, s— . . . si. . . .
M.: Entonces arma tu arma, que todas te hemos regalado, y preparate para la guerra.
Todas regresan a sus posiciones en el cielo, y a la luz de la ciudad, saliendo por fin del túnel, las lágrimas en su cara tienen que ser escondidas con un bostezo. En sus manos toma cada uno de los componentes. Coloca el tubo vacío en el orificio del manubrio, llenándolo del mercurio de la botella. Lo coloca bajo el marco circular y lo atornilla pacientemente. Se baja de la estación y sigue construyéndolo mientras camina. Coloca dentro del marco el espejo, lo fija, y después coloca la tapa de obsidiana, fijándola también. Finalmente coloca la piedra con el último tornillo, en lo alto del espejo, y se da cuenta que es efectivamente eso, un bello espejo, su arma, su salvación, un espejo. Donde fuera que lo apuntara, lo único que podía ver en él era su corazón.
Impasible—tratando—confía en que todo es posible, todo puede ser, especialmente algo que otros han logrado. En sus labios las palabras "no estoy listo" tenían meses descomponiéndose. Y cuando por fin las pudo oír saliendo de ella, se da cuenta que realmente no lo estaba, que arriesgarse de esa manera, sin sinceridad, sin decir nunca lo que verdaderamente sentía, sin aceptar sus debilidades, era lo que lo tenía tan muerto como desde hace años, a pesar de haber encontrado a alguien por la cual esforzarse a salir de su Miseria. Todo el daño que le había hecho, la confianza que había perdido, el amor que convirtió en odio, no fueron otra cosa más que su culpa, y ahora, lo único que le quedaba hacer era caminar solo, con la tribulación de su mundo colapsante, la indescriptible añoranza de sus ojos despegándose más y más de los de él, crujiendo todas las articulaciones de un cansado corazón a punto de caer en el olvido y el rencor, el destino riéndose por haber mostrado una promesa y no haberle dicho que todo se iría al carajo. . . . Sabía que no era tiempo desperdiciado. Finalmente estaba aprendiendo y cada día estaba más seguro que todo esto se trataba de él, pero el miedo nunca dejó de ser, y nunca dejaría de serlo.
Por su mente, llegando a casa, acostado, solo, sin mensajes de nadie en su celular, corrían todos sus pensamientos autodestructivos. Pero si ya lo hizo una vez, lo volverá a hacer. Ella no merece lo que le das. Tiene ya demasiados problemas y tú eres uno más de ellos. No te habla porque tiene mejores cosas que hacer que preocuparse por ti. Nunca te abraza porque todo es una mentira. Nunca te menciona ya nada porque habla mejor con él. Solamente está contigo por lástima, realmente te dejaría solo si pudiera hacerlo. . . .
Sale de su habitación y se sienta en la sala, esperando a que algo suceda, a que algo caiga del cielo. Finalmente llega su madre de la cocina, y sin realmente pensarlo, dice:
"Madre, tengo algo que contarte."
Linda se detiene en el umbral de la puerta, dejando caer una pequeña mirada al suelo, y sin voltear, le dice que lo acompañe.
submitted by DanteNathanael to DanteNathanael [link] [comments]


2019.09.15 19:11 YareYareDaze007 Minha "breve" história amorosa

Essa História que será aqui contada, nesse livro, é a jornada de um garoto chamado Giovane, um garoto quieto, de poucos amigos, porém muito estudioso, sempre tirava boas notas na escola. E é exatamente lá que nossa história começa.
No ano de 2017, nosso protagonista está sentado tranquilamente em sua mesa, na sala de aula, quando repentinamente ao olhar de relance para a porta, ele percebe alguém entrando, mais especificamente uma garota, uma linda garota, que instantaneamente desperta o encanto de Giovane. Vale lembrar que naquela época, ele era um garoto de 13 anos, sem nenhuma preocupação além de vídeo-games e estudos, mas tudo aquilo estava prestes a mudar. Naquele momento, ele havia descoberto o amor, que muitas vezes pode ser comparado à uma benção ou maldição. Ao ver a garota de nome desconhecido entrar, Giovane logo ficou surpreso com tamanha beleza, porém no momento não fez muita coisa. Apenas voltou aos estudos e tentou não pensar muito naquilo, porém era quase impossível, a cada conta que fazia, a cada texto que lia, a imagem da garota continuava a aparecer em sua cabeça. O que era muito ruim, considerando o fato de Giovane sempre dar muita importância aos estudos, aquilo estava o atrapalhando. Mas logo o nome da garota foi revelado: Sabrina. Giovane ouvira a professora dizer esse nome na chamada e viu a garota responder.
Não demorou muito para ele se dar conta do que havia acontecido. Ele sabia que estava sob o efeito da droga mais poderosa que existe: O Amor. E para o amor não existe cura, apenas o tempo, que foi justamente o que decidiu fazer: dar um tempo e ver o que acontecia. Giovane Não tinha ideia de como os eventos se desenrolariam dali em diante, não sabia o quanto sofreria pensando nela.
Passado algum tempo, cerca de 3 meses, e o amor de Giovane por Sabrina continuava aumentando, como uma fogueira que é atiçada pelo vento. No entanto, uma dúvida ainda pairava sobre sua cabeça: O sentimento era recíproco? Sabrina via Giovane com outros olhos? Ele não sabia, e isso estava o enlouquecendo.
Um mês depois do acontecimento anterior, ele havia pensado em uma maneira de acabar com suas dúvidas, era o único modo que nosso protagonista havia pensado: Falar à Sabrina sobre seus sentimentos. Porém, Giovane era um garoto extremamente tímido, o que deixava essa hipótese quase impossível. Ele tinha medo de contar o que sentia e não ser correspondido, ou ainda pior, ser ridicularizado pelas pessoas ao redor da escola. Chega o fim do ano e Giovane não havia conseguido se declarar. "Meu Deus, mas e se ela não estiver aqui o ano que vem? " Pensava.
2018, início do ano. E para sua surpresa, ele estava na mesma sala que Sabrina. Seria o destino dando uma segunda chance a ele? Talvez. E como dito anteriormente, seu amor não diminuía, apenas crescia dia após dia. Nosso protagonista tem 14 anos agora, muito mais maduro, certo? Errado! Ele continuava com uma ideologia de " deixar o rio fluir ", ou seja, não fazer nada e deixar que o destino cuidasse do resto. Claramente essa tática não deu certo. Porém, Giovane possuía um amigo chamado Marcos, cujo qual se dava muito bem com as mulheres. E fui justamente a ele que Giovane foi pedir ajuda. E acontece que Marcos era realmente bom no que fazia, e milagrosamente conseguiu fazer Sabrina se aproximar consideravelmente de nosso protagonista, que estava pensando sobre a vida e as decisões que havia tomado e aparentemente não interagindo com Sabrina, o que fez Marcos aparecer e talvez ter causado o maior arrependimento da vida de Giovane. Ou não? Marcos chegou conversando com ambos e acabou deliberadamente por falar que Giovane estava apaixonado por Sabrina, o que deixou nosso protagonista completamente paralisado, como se tivesse visto um fantasma, sem nada para dizer, como se tivesse visto a morte cara-a-cara. E Sabrina pareceu incrédula do fato, tanto que até se levantou da cadeira na qual estava sentada e estava se dirigindo a seu lugar, quando Marcos a parou e tentou argumentar com ela, mas nada parecia dar certo. Enquanto isso, nosso protagonista continua sentado imóvel na mesma posição que havia começado a conversa. Passados cerca de 3 minutos, Sabrina chega à mesa de Giovane e pergunta:-O que aconteceu?
-Nada. Diz Giovane
-Você está com cara de bravo. Foi alguma coisa que eu fiz?
-Não, não foi nada.
E Sabrina sai daquela mesa e volta para a dela.
A partir daquele dia, Giovane se tornou outra pessoa, alguém completamente novo. Ao invés do garoto alegre e piadista de sempre, ele havia se tornado alguém quase depressivo, não falava quase nada, passava horas parado pensando na vida, não fazia mais tantas piadas. Até o dia 10 de agosto de 2018, quando ele decide que não vale mais a pena sofrer tanto por conta de falta de coragem. Na escola, durante a aula de geografia a lição era fazer um mapa-múndi e foi o que nosso protagonista fez, porém Marcos tinha um plano para ambos ganharem nota apenas com o esforço de Giovane, que aceitou ajudar já que poderia precisar de algum favor de Marcos algum dia. E foi um plano, absurdamente bem bolado, executado com maestria e finalizado com êxito.
Na noite daquele mesmo dia, Giovane decide cobrar a ajuda que ofereceu à marcos. Mandou uma mensagem para ele e combinou que iriam executar um plano para que nosso guerreiro Giovane tivesse a coragem de se declarar à belíssima donzela Sabrina. Marcos a convenceria a segui-lo e passaria por um local combinado, onde Giovane apareceria e abriria seu coração para ela, acabando de uma vez por todas com isso, do jeito bom, que Giovane sairia com uma namorada e se livraria de sua tristeza ou do modo ruim, que era o que Giovane achava mais provável, onde ele seria completamente rejeitado e jogado à depressão para sempre, porém esquecendo de Sabrina. Nada poderia impedir esse plano de funcionar.
Exceto uma coisa: O esquecimento de Marcos que não conseguiu atrair Sabrina até o local combinado, o que fez com que Giovane saísse vagando pela escola envolto em seus pensamentos, e andando sem parar, para praticar pelo menos de alguma maneira, algum exercício, contudo ao fazer a volta na escola várias e várias vezes, no caminho Giovane se deparava com Sabrina andando com uma amiga e seu namorado, e durante algumas dessas vezes ele pôde ouvir claramente a amiga de Sabrina dizer: " quem quer catar a Sabrina? " Duas vezes na mesma hora em que ele estava passando e ainda ouviu mais uma última vez: " Ela está se doando ". Giovane estava começando a ligar os pontos, tudo começava a fazer sentido em sua cabeça. A vontade dele era alterar o curso de sua caminhada e abrir seu coração a ela, porém se fizesse isso, ele estaria desperdiçando um favor de Marcos, então Giovane Simplesmente continuou sua jornada de volta à sala de aula. Ele estava prestes a descobrir o significado de tudo que aconteceu.
No final daquele dia, Giovane decidiu perguntar à marcos se ele havia se esquecido. E de fato ele havia, no entanto se ofereceu para fazer o mesmo plano no dia seguinte. Giovane concordou.
Terça-feira, 14 de agosto de 2018, nosso protagonista vai para a escola apreensivo pensando em como vai ser, no que ele vai dizer..., mas durante a aula de história, nosso herói percebe que Sabrina estava muito impressionada com o professor novo. Estaria ela realmente afim do professor? Ou seria apenas uma brincadeira? Ele não sabia e isso o deixava apreensivo. Na próxima aula, a de matemática, a professora havia mudado Sabrina de lugar. E coincidentemente, o lugar que ela foi designada era bem perto do lugar de Giovane. Seria esse o destino colaborando mais uma vez para que tudo desse certo em sua vida?
No recreio, tudo estava combinado com Marcos. Só lhe restava sair da sala e seguir com o plano. Acontece que um amigo de nosso protagonista, conhecido pelo codinome Sem Mão, decidiu segui-lo e ver o que aconteceria e como acabaria. Giovane conta o plano à Sem Mão, que fica impressionado e diz que aquele plano era como fazer roleta russa com 5 balas. No entanto, Marcos demorou muito para fazer o plano e quando fez, não fez corretamente: Ele simplesmente disse para Sabrina que Giovane gostaria de conversar separadamente com ela, enquanto nosso protagonista apenas passava por ela e ia direto ao banheiro, pois estava muito tenso. Acaba o intervalo e Giovane se dirige à sala de aula. Na última aula, logo em seguida da de educação física, todos voltam para a sala e se preparam para a aula de matemática e provavelmente a coisa mais inesperada desse livro acontece: Ele pensando na vida como sempre, consegue ouvir Sabrina e Vinícius, um outro colega de sala, discutirem sobre voltar ao lugar anterior deles, e de repente ouve ela dizer que aquele lugar era bom porque ela conseguia ter uma boa vista de uma coisa. Instantaneamente nosso protagonista percebeu que essa "coisa" era nada mais nada menos que ele mesmo, até porque em certo momento dessa conversa ele pôde perceber Vinícius responder: Do G? Que foi logo respondido com uma resposta de Sabrina: Por que você não grita logo de uma vez?! Seguido disso, Vinícius em tom de brincadeira, aumenta levemente sua voz e repete a frase anterior. A teoria das cinco balas de Sem Mão acabara de ser refutada, pois com essas informações, suas chances aumentaram consideravelmente, deixando a arma com apenas uma bala. Estava muito claro para Giovane que Sabrina aparentemente gostava dele, mas não queria que isso fosse exposto. Passado certo tempo da aula, mais uma vez Sabrina diz que é um bom lugar e que ela consegue observar muito bem essa "coisa" e foi respondia por Vinícius: Mas do seu lugar anterior, você também consegue ver. E logo veio a resposta: Sim, mas daqui eu consigo ver mais de perto, logo esse lugar é melhor. Ele sabia que, ou se tratava dele ou de algum de seus amigos que sentavam perto, e estava bem convencido de que se tratava dele. Nesse momento, Giovane estava pulando de alegria por dentro, mas por fora só se via sua expressão mais comum: a de indiferença. Ninguém simplesmente olhando, poderia saber a felicidade que residia dentro de Giovane naquele instante. Ele foi para casa se sentindo renovado e feliz, só não voltou saltitando por motivos de masculinidade. O que aconteceria depois?
No dia seguinte, Giovane não foi para a escola. Ele havia ido ao médico, e como o sistema de saúde do Brasil não é dos melhores, não conseguiu voltar a tempo de ir para a escola. Ainda nesse dia, pela primeira vez ele decide tirar seu bigode e por incrível que pareça, se achou mais bonito e se sentiu deveras confiante em sua jornada. Por volta das 18 horas, conversa por mensagens com seu amigo Sem Mão e lhe conta sobre o que havia descoberto ouvindo aquela conversa, e para desanimar um pouco nosso herói, Sem Mão diz que o "G" mencionado na conversa, poderia ser de Gustavo, outro aluno da mesma sala, mas Giovane prefere acreditar que ela se referia a ele. Logo em seguida, começa a conversar com Marcos, que também fica ciente da situação e diz:
- Ela está brincando com você, cara...
- Não, estou tão confiante que apostaria cinco reais que ela não está brincando!
- Cinco reais? Apostado então! Mas para você ganhar, ela tem de deixar explícito que aceita você. Assim como para eu ganhar, ela deve deixar explícito que rejeita você.
- Claro.
Giovane não possuía cinco reais, nem sabia onde conseguir, mas estava confiante.
16 de agosto de 2018, nosso protagonista aparece na escola e diferentemente do último dia, não parecia tão tenso, parecia até mesmo confiante do que iria fazer. Logo Marcos apareceu:
- Está fechada a aposta de hoje?
- Com certeza!
- Você sabe que vai perder, né?
- Certamente que não, estou tão confiante que nem trouxe o dinheiro, como sinal de que sei que não vou falhar! – Cada frase que nosso protagonista falava, era dita com convicção.
- Se está tão confiante assim, suba a aposta para dez reais!
Giovane pensou por alguns segundos. Ele não tinha esse dinheiro em mãos, mas para mostrar confiança à Marcos e a si mesmo, subiu a aposta.
- Feito!
No instante que disse isso, o sorriso malicioso que habitava o rosto de Marcos fora substituído por uma expressão de espanto. Não podia acreditar que nosso herói estava tão confiante. Porém, durante toda essa conversa na aula, Marcos decide contar à professora de ciências sobre a aposta, e para a surpresa de ambos, ela havia achado uma aposta interessante.
15:30, havia chegado a hora do intervalo, a hora da verdade. Quando pôs o pé para fora da sala de aula, soube que duas coisas importantíssimas estavam em jogo: Seu futuro amoroso e dez reais, que podem não parecer muito, mas na época que o país estava... Ele achava que seria fácil, mas estava muito enganado, pois quando estava fazendo o reconhecimento do melhor lugar para a abordagem, pôde sentir sua perna fraquejar. Depois de dar algumas voltas na escola e consequentemente acabar encontrando com Sabrina no caminho, ele havia achado que estava pronto e quando foi procurar seu alvo em movimento, não o encontrou, no entanto, logo descobriu que ela estava sentada, com sua amiga já mencionada anteriormente. Não havia mais escapatória, teria de se declarar na próxima volta e podia sentir seu coração bater cada vez mais forte ao se aproximar do local. Infelizmente, ao chegar e estar preparado, se depara com mais 4 garotas conversando com Sabrina e sua amiga, o que fez nosso herói alterar o curso e ao invés de parar, acabou seguindo sua trajetória comum. Faria na próxima volta, não importava o que acontecesse, porém, ao chegar novamente e ver que só estavam ela e sua amiga sentadas, não conseguiu. Era como se uma força desconhecida o impedisse.
Bate o sinal para todos voltarem para suas salas de aula e nosso protagonista entra e percebe que teria uma aula vaga, e logo seu lamento em não ter conseguido se declarar, se tornou em forças para tentar agora que não haviam tantas pessoas lá fora. E mais uma vez não conseguiu, até que Sem Mão propõe um desafio: reproduzir um desenho de seu amigo Raul, um cara vidrado em desenhar, e Giovane aceita, pois ficar andando e se lamentando não era a melhor atividade. Chegando onde Raul estava, Sem Mão explica o desafio, porém, por algum motivo Raul pega uma folha e corta em duas, dando uma parte para Sem Mão e outra a si mesmo. Giovane não se importa. Na verdade, parecia não se importar com mais nada depois de ter fracassado em conversar com uma garota. Sem Mão reproduz um desenho de um homem com terno roxo e gravata que Raul havia feito. A única diferença, no entanto, foi que sua reprodução ficou parecendo o cruzamento de um desenho de uma criança sem talento com um feto malformado em um pote com formol. Após isso, aparentemente Sem Mão ficou tão entediado quanto nosso protagonista e decidiu voltar a andar, quando de repente veem Marcos e o namorado da amiga de Sabrina tentando tirar a namorada de Marcos e a amiga de Sabrina de um banco no qual estavam todas sentadas. Giovane pensou que poderia ser Marcos querendo ajudá-lo a conseguir, mas qual seria sua motivação além de perder dinheiro? E eles conseguiram tirar as garotas do banco, deixando Sabrina sozinha, que decidiu levantar e começar a andar, mas nosso herói não pensou em abordá-la, simplesmente não tinha a coragem para isso. E acontece que ele era um cara muito corajoso quando se tratavam de brigas e tudo mais (até enfrentou um bando de garotos que estavam o incomodando uma vez), mas quando se tratava de garotas, ele não sabia o que fazer. Depois disso voltou para a sala a tempo de acompanhar as duas últimas aulas de geografia. Contudo, no final da última aula, Marcos veio conversar com nosso herói:
- E aí cara, cadê meus dez reais?
- Eu não falei com ela, logo não tomei um fora, o que significa que eu ainda fico com meu dinheiro.
- Porra, cara. Qual a dificuldade? É só chegar lá e falar " eu estou afim de você, vamos ficar juntos? " E acabou.
- Se fosse tão fácil assim, eu já teria feito há um ano e oito meses atrás...
- Mas é fácil!
- Não para mim. Me falta coragem.
Então Marcos decide tomar uma abordagem mais agressiva.
- Olha lá a bunda dela como é grande! Você não quer ter isso?
Giovane continuava dizendo que não tinha coragem.
- Olha lá, o cara foi dar tchau para ela e passou a mão na bunda dela! E ela ainda deu risada! Você vai deixar o cara fazer isso com sua futura esposa?
O sangue de Giovane fervia, como se ele mesmo fosse explodir a qualquer momento, mas ele era um cara calmo e conseguiu se manter normalmente apenas dizendo " calma e tranquilidade " a si mesmo enquanto Marcos dizia:
- Se amanhã você não conseguir, você vai ter de dizer para todo mundo que você é um merda e eu sou superior!
- Okay, já me considero um merda normalmente...
Mas aquela conversa lhe deu forças para o que ele faria no dia seguinte.
Dia 17 de agosto de 2018, nosso herói está prestes a sair de casa, enquanto seu pai assistia tevê, e de relance, pôde ver a notícia mais bizarra que já havia visto em toda a sua vida: " Homem-Aranha do crime " que aparentemente era um ladrão que escalava prédios tão bem que recebeu esse nome.
Chegando na escola, pronto para fazer um trabalho de artes, acaba descobrindo que haveria outra aula vaga, já que sua professora tinha faltado, o que o deixou feliz e enraivecido. Quando já havia saído da sala e estava andando pela escola, começa a falar com Sem Mão desse livro que está sendo escrito agora mesmo.
- Vai ter muita coisa nesse livro!
- Essa conversa também?
- Provavelmente, já que eu vou colocar qualquer coisa que pareça insignificante o suficiente no lugar de alguma informação que seria crucial, ou seja, essa conversa vai direto para ele.
- Bem, isso não seria meio que...
- Um Inseption muito foda!
- Eu ia dizer quebra da quarta parede, mas Inseption também está valendo.
- Não é bem uma quebra da quarta parede. Eu só estaria fazendo isso se eu dissesse: " Ei, você aí que está lendo esse livro, como é que você está? "
- É, realmente...
Ao andar, se deparava algumas vezes com Sabrina andando com Marcos e outra pessoa não apresentada anteriormente: Kauã. Em algum momento, Marcos tentou parar Giovane o empurrando e lembrando que ele tinha de concluir sua tarefa naquele dia, ou então seria um fracassado.
- Você tem até hoje para conseguir.
- Veja bem, meu amigo, até a meia-noite ainda é hoje.
E essa foi uma sacada bem esperta, tenho que admitir. Enfim, nosso protagonista continuou andando um pouco até que...
- Giovane! Chega aqui! – Disse Marcos aos berros sentado em um local perto de uma árvore.
- Porra... – Disse Giovane.
E foi andando até chegar a ele.
- Que foi, cara? – Perguntou em tom de desânimo.
Eu preciso que você tire uma foto.
" Uma foto? " Pensou Giovane, achando que poderia ter um esquema armado por Marcos.
- Ok, vamos lá!
E foram caminhando em direção à uma outra parte da escola. Quando chegaram, nosso herói se pôs em posição e segurando o celular de Marcos, estava pronto para fotografar. Enquanto olhava para a tela do celular, podia ver Sabrina e sua beleza, ao mesmo tempo que pensava " Caralho, eu sou um merda meu irmão! " E tirou a foto. No entanto, o que não sabia, é que quando já ia se retirando do local, Marcos o chamou e disse:
- Não, cara. A gente só quer que pegue essa parte da parede.
- Ah, ok.
E novamente estava em posição observando Sabrina pela câmera, e logo tirou outra foto. E dessa vez, conseguiu voltar à sua rota sem ser chamado mais uma vez. Andava e andava, sem rumo, sem destino, sem coragem, quando com sua super audição pôde ouvir Sabrina discutindo com Marcos, atrás dele.
Ouvindo isso, ela decide desafiar Marcos para uma briga, e ele logo se acovarda. Como Giovane, ele não tinha coragem. Quanta hipocrisia, não é mesmo, caro leitor? No entanto, ele logo teve uma ideia.
- Vai lá e usa essa raiva no Giovane!
E Giovane continuava andando na frente apenas ouvindo essa conversa, quando foi chamado.
- Giovane! Chega aqui!
E lá ele foi conversar com ele.
- O que foi dessa vez?
- A Sabrina quer te dar um soco.
Mas ela não queria.
- Não, eu não vou! – Disse ela.
- Por que não? – Perguntou Marcos
- Porque eu estou com raiva de você, não dele!
Mas depois dessa breve conversa, Giovane notou um olhar de Sabrina dirigido ao nosso herói. Sabrina realmente teria olhado para ele da forma que imaginava? Ou só estava ficando louco? Descobriria tudo isso em breve...
Dia 18 de agosto de 2018, sábado, por volta das 22:30 da noite Giovane é contatado por Marcos com uma mensagem:
- E aí, cara?
- Opa.
- Tudo beleza, cara?
- Tudo de boa.
- Então, cara... eu acho que você perdeu a aposta.
- Não, pois a aposta não tinha prazo. A única coisa que tinha prazo era eu dizer que sou um merda e a sexta já passou, então você foi enganado...
- Aí é que está, meu amigo quem está se enganando é você mesmo. O único que está sofrendo por amor é você.
- Sim, mas ainda assim, a cada dia minha coragem vai aumentando...
- Não se iluda meu pobre amigo. Esse seu coração não merece sofrer!
- Eu estou apenas contando os fatos.
- Não ame aquela garota, ela não merece você.
- Se fosse tão fácil assim... E você não vai me fazer desistir, porque sou brasileiro e brasileiro não desiste nunca!
- Entendo, apenas não quero que sofra por algo que não tem futuro.
- Eu já sofri para caralho, eu tentar isso não vai aumentar a dor que eu sinto por não estar ao lado dela.
- Você realmente quer isso, não quer?
- Sim, porra!
- Para que você possa ver que eu não estou mentindo. Eu nunca disse isso para você, porém... eu realmente não tenho nada para fazer.
- Etcha porra!
- Sim, essa foi a única palavra que você nunca me ouviu dizer.
- E qual seria? – Perguntou Giovane apenas para ver Marcos admitindo que estava tão perdido quanto ele.
- Eu não sei o que fazer.
- Ca ra lhou.
- Por conta dela, não tem muito o que fazer.
- Isso mostra que é um caso absurdamente difícil.
- Sim, porém não impossível.
- Até porque nada é impossível, exceto o Palmeiras ganhar um Mundial. Isso é impossível.
- Kkk verdade. Como eu já vi que você não vai desistir da Sabrina...
- Certamente que não.
- Eu vou pelo menos tentar ajudar.
- Que bondoso.
- Porém, como nada na vida é perfeito, eu vou usar minhas técnicas...
- Caralho. Tenho trauma dessas técnicas.
- Pode apostar! Até porque, eu aprimorei elas...
- Acho bom mesmo, kkk
- Porém não foi para um lado bom! Foi para um lado mais extremo.
- Puta merda.
- Eu já pensei no que vou fazer. Funciona muito em filmes e novelas.
- Diga-me.
- Vou trancar vocês dois, em algum lugar sozinho.
- Caralho. – Giovane já sabia que aquele plano não iria funcionar, porém decidiu ouvir até o fim.
- Vai ser perfeito. Você vai ver, aí é por sua conta. Na verdade, a parte mais difícil sempre vai ser para você.
- Eu estou com um certo medo do que pode acontecer.
- Ela pode falar tudo que sente por você, ou ela pode ficar de fato com você.
- Ou pode não acontecer nada.
Depois de um tempo de conversa Marcos se convenceu de que seu plano não era dos melhores. Até que disse:
- Eu te ajudo e você me ajuda. Eu te ensino o que sei, e você o que sabe...
- O que exatamente você precisa?
- Eu quero saber como você pensa tanto e quero saber como você é tão concentrado, etc....
- Caralho, sério?
- Sim.
- Ok, aqui vai. Não tem segredo: Você só tem que pensar que sua vida dependesse daquilo. Mas, o lance de ser pensativo, acho que é porque eu não tenho muito o que fazer, apenas pensar.
- Ótimo!
- Espero ter ajudado.
- Ajudou sim, muito obrigado. Agora o que você precisa?
- Fora o lance da Sabrina, nada.
- A melhor opção seria chegar nela em alguma hora em que ela estivesse sozinha ou falar que é uma conversa em particular.
- Sim, o lance é que eu preciso de coragem.
- Quer saber, você transmite confiança. Algo que eu queria muito transmitir.
- Só reprimir suas emoções e mostrar nos momentos mais cruciais.
- Como assim?
- Você nunca sabe se eu estou feliz ou triste, certo?
- Certo.
- Mas as minhas emoções mudam. Tudo que eu faço é mostrar o que eu quero que os outros vejam: A minha cara de indiferença de sempre.
- Porra.
- É basicamente só isso.
- Valeu, cara.
- Você me ajuda muito, estou retribuindo.
- Muito obrigado. Mesmo, cara.
- Não há de quê.
Dia 19 de agosto de 2018, Marcos envia uma mensagem por volta das 21:00 para Giovane:
- Cara, estamos na mesma situação. Eu me apaixonei e ela não dá bola para mim. Fudeu, eu me apaixonei. Isso não é natural no universo.
- Vamos conversar.
- Fudeu.
- Você se fodeu.
- Sim, Fudeu. Eu me apaixonei e isso não é normal da porra da natureza! Eu sou Marcos Ribeiro, não posso me apaixonar!
- Agora sente o que eu sinto há quase dois anos. Não é fácil quando é com você, né?
- Literalmente não. Mano, ela é maravilhosa e não me dá bola. Nem com meus truques e experiência não consigo.
- Você sabe que se eu conseguir ficar com a Sabrina e você não pegar essa mina, o mundo deu uma puta volta.
- Sim.
- Algo de errado não está certo.
- Nem um pouco. Mas, mano ela é perfeita! Pensa na Sabrina e multiplica por 20.
- Impossível!
- Juro.
- Para mim não existe nenhuma garota na face da terra que se compare à beleza da Sabrina. Acho que o amor faz isso...
- Mano, Fudeu. Eu me apaixonei. Pera aí...
- Eu poderia ser muito cuzão e não ajudar, mas você tentou me ajudar, então farei o que puder.
- Pronto. Não sou mais apaixonado.
O amor não é brincadeira de criança, é coisa séria e não se livra do amor tão rapidamente. E Giovane sabia disso, então ou Marcos não estava apaixonado desde o início, ou ainda estava apaixonado ou talvez estivesse inventando tudo aquilo.
- Ata kkk.
- Sério, passou. Eu me controlei.
- O amor vai e vem como uma montanha-russa.
- Não. Não comigo.
E foi então que nosso herói se preparou para fazer um dos melhores discursos de todos os tempos.
- Você pode ter esquecido agora, mas vai pensar nela de novo. E aí fodeu. Mas, se tem uma coisa que eu aprendi é que você tem que insistir...
- Não. Foda-se.
- ... até não ter mais forças. Você não vai esquece-la, apenas aceite o destino. Se você não tentar, alguém vai e você vai ficar muito arrependido. Então você não vai desistir, porra! Logo você, o cara que me incentivou a correr atrás da Sabrina, não pode simplesmente desistir. Essa pode ser a mulher da sua vida, então você teria que ser muito burro para deixar de tentar. E é por isso que você vai correr atrás dela.
Esse foi um puta discurso. Foi tão bom que parece que foi redirecionado a si mesmo e deu forças para ele fazer o que faria amanhã.
Dia 20 de agosto de 2018. O que nosso herói fez? Nada! Até tentaria falar com Sabrina, mas o problema é que não a via. Ficou todo depressivo por passar mais um dia sem conseguir e foi para casa. Chegando lá, sente uma certa fome e decide fazer uma omelete. Uma coisa que deve ser dita anteriormente, é que independente de quanta pimenta do reino colocasse, não conseguia sentir a picância que deveria. Fazendo a omelete, coloca pimenta do reino e seus dedos ficam sujos. Logo vem seu pai, com uma má intenção.
- Lambe a pimenta aí para você ver que não arde quase nada.
Giovane confiava em seu pai então provou e por um segundo pensou " nossa, não arde mesmo ", mas estava muito enganado e arrependido, pois depois de dizer isso, pôde sentir sua língua queimando como carvão em brasas, então pensou " vou tomar um copo de leite e estará tudo resolvido ", acontece que no momento a caixa de leite que estava na geladeira, havia acabado e Giovane teve que esperar cerca de trinta segundos de pura dor e sofrimento até conseguir abrir outra caixa de leite.
Esse pequeno conto não interfere em nada nossa história, mas achei que deveria ser compartilhado.
Quinta-feira, 23 de agosto de 2018. Nosso herói já está na escola durante a terceira aula, esperando o sinal para o intervalo. Ao ouvi-lo, Giovane, como sempre, começa a andar em voltas, porém, mais uma vez se depara com Sabrina, mas dessa vez ela não está andando, e sim parada com algumas garotas, o que eliminava completamente a possibilidade de tentar fazer seu plano, então apenas segue seu caminho. Voltando para a sala, ele não sabia, mas sua vida que já era depressiva, estava prestes a ficar pelo menos três vezes pior, por um tempo. Ao entrar e sentar em sua cadeira, pôde ouvir Yasmin, sua prima, dizer claramente que era um cupido, logo em seguida Sabrina conversa com alguém que ele não conseguira identificar, mas ouve a seguinte frase durante a conversa " Eu virei e dei um beijo na mina ". Naquele momento, não sabia o que fazer. Seus olhos começaram a lacrimejar como se estivesse cortando um milhão de cebolas enquanto um anão tailandês chicoteava suas costas. Sentiu que todo o sentido de sua vida havia acabado, sentiu-se como se o chão que estava aos seus pés havia desabado. Para esconder sua tristeza de todos e de si mesmo, Giovane adotou um comportamento bem agressivo, mas enquanto conversava com Marcos ouviu-o dizer:
- Vamos fazer uma aposta amanhã. Tipo os gringos jogam pôquer e apostam salgadinho essas coisas, já a gente que é fudido aposta bala. A gente poderia, sei lá, jogar algum jogo de azar tipo pôquer, truco...
- Eu toparia um truco. – Disse nosso protagonista.
- Ok, então amanhã todo mundo traz bala para apostar e a gente joga um truco.
Chegando em casa, de noite, Giovane decide contar a seus amigos sobre o motivo de ter ficado tão furioso a partir do intervalo, exceto por uma parte que ele não conseguia parar de rir como se fosse um retardado " Bebidas Xabás ". E ao contar para Semeão, ele recebe um discurso motivacional quase tão bom quanto o que havia feito para Marcos.
- Giovane, sabe o que você precisa?
- O que?
- TVNC
- Wtf?
- Tomar vergonha na cara.
- Porra, semeon.
- Criar coragem e ir.
- Sim. Só preciso do meu bigode, ele me transmite segurança.
- Não deixe que coloquem o dedo na sua cara e digam quem você é!
- Minha autoestima começou a subir...
- Virou mó conversa motivacionap. Maldito correto. R.
- Maldito analfabetismo!
- Cara, você é o cara!
- É bizarro que eu nunca pensei que não conseguiria por falta de coragem, mas sim por rejeição.
- Você vai conseguir. Se tiver a lábia mais do que perfeita, você é imbatível!
- Sim, eu só preciso chegar nela.
- E puxar um bom papo.
- Com puxar um papo, você deve saber que eu vou chegar fazendo a proposta.
- Hum, é mesmo?
- Se a porra do Marcos tivesse seguido o plano...
- Então quando você chegar nela, já sabe...
- Agora tenho que ir.
- Vou recobrar o favor do Marcos, mas falous.
- O Kauã está mandando eu jogar com ele.
- Olha só, escravatura, mas falous.
Naquele mesmo dia, ele cobrou o favor e Marcos concordou em ajudar.
Dia 24 de agosto de 2018, na escola durante a primeira aula que deveria ser de artes, mais uma vez é uma aula vaga. Ao andar com Sem Mão e Raul, como sempre nosso herói se depara com Sabrina sentada com algumas amigas. Dando algumas voltas, durante uma delas, ao passar pelo grupo de garotas, nosso protagonista consegue ver claramente Sabrina olhar diretamente para ele por cerca de três segundos. E não era qualquer olhar, era um olhar tão certeiro que não havia a possibilidade de ela estar olhando para algum outro lugar. Esse fator somado às informações que Giovane havia conseguido ouvir ao longo do tempo, lhe dava uma chance de 99% de Sabrina estar afim dele.
Feliz para cacete, depois que a aula vaga acaba, volta para a sala e vai fazendo as lições até chegar a última aula de geografia. Todos haviam se lembrado do que Marcos havia combinado sobre o truco. Mas ninguém trouxe um baralho.
Depois de tudo isso, com sua confiança, nosso herói faz uma das coisas que mais se arrependeria em sua vida, ele decide aumentar a aposta que havia feito com Marcos para 20 reais. Se ele conseguisse, seria ótimo ganhar esse dinheiro, mas Giovane não pensou no caso de não ganhar a aposta, pois estava cego pela ganância do dinheiro fácil. Marcos aceita a proposta e dessa vez foi mais esperto por ter colocado um prazo de dois dias na aposta.
Durante alguns dias, nada de tão importante acontece que deva ser mencionado nesse livro. Isso até o dia 30 de agosto de 2018...
Giovane decide que pediria Sabrina em namoro durante o recreio, mas para isso precisaria da ajuda de Marcos, que concordou em ajudar depois de certas negociações.
É chegado o intervalo e a tensão estava subindo, até porque agora além de Sabrina, 20 reais estavam em jogo, e nosso herói não tinha nem perto disso...
Giovane anda durante o recreio procurando Marcos e acaba o encontrando.
- Então, cara... agora seria uma ótima hora para aquela ajuda...- Disse nosso protagonista.
- Ah, sim claro, claro... A gente só precisa encontrar a Sabrina...
E lá se vão Marcos, Giovane e Thiago (Não o Sem Mão) procurando a garota. Até que Marcos tem uma genial ideia (sem sarcasmo).
- Giovane, faz o seguinte: fica ali na árvore que eu vou ver se eu encontro ela e chamo-a aqui.
Nosso herói concordou com a cabeça e foi se dirigindo à árvore. Chegando lá, não parava de pensar o que iria dizer, até que de relance, consegue ver Marcos caminhando com Sabrina em sua direção. Eles haviam chegado.
- Então, o Giovane tem um negócio para te falar...
"É agora", pensava Giovane. Não havia mais escapatória.
- É então, é sobre o lance que eu ia falar ontem... Sabrina eu sou absurdamente afim de você, e você sabe disso, então... quer namorar comigo?
- Então... no momento eu não estou disponível..., mas se quiser a amizade, estamos aí.
Ele se sentia arrasado, detonado, zuado, fudido, quebrado.
Aquelas palavras ecoaram na cabeça de Giovane, que agradeceu a Sabrina por ter cedido seu tempo e foi embora andando. Por incrível que pareça, ele se sentia libertado. Triste, porém, libertado.
E nossa história termina aqui com um final não tão feliz(ou será que não?).
E com essa finalização, eu agradeço por ter tirado um tempo do seu dia para ler isso.
submitted by YareYareDaze007 to EscritoresBrasil [link] [comments]


2019.09.01 09:40 Mr_Muckacka 「ALÔ, CUPIDO!」

Stand name: 「ALÔ, CUPIDO!」
Namesake: Brazilian localized version of "Stupid Cupid", by Connie Francis

Appearance

「ALÔ, CUPIDO!」 manifests as a tall, blond haired angelical woman wearing an exquisite greek garb, along with her finely decorated bow and quiver.
The back of her dress is open to accomodate her six wings that grant her swift flight, and her face is obscured by a helmet (similar to a VR headset) with antennae on both sides.
She wields a silver longbow decorated with wing and heart patterns, with her quiver bearing heart-tipped arrows.

Stats

Power: B Speed: B Range: A Durability: D Precision: A Potential: D

Abilities

The main weapon of 「ALÔ, CUPIDO!」 is her bow and arrows. Her shots are precise and swift, causing manipulative effects and dealing damage from afar.
A Flecha do amor
These arrows are fired causing no pain to the target, but causes them to be very friendly and compassionate to all people and animals. More arrows can cause surges of dopamine and oxytocine, causing a gleeful disposition and intense emotions.
Angústia e a dor
These arrows cause great despair and pain on its target, which is greater when affected by Flecha do amor.
É o fim
Although the stand's rate of fire is slow, she can charge a close-range flurry of arrows, bellowing her Stand Cry, Alô! Alô! Alô!!! First the arrows of love, with a despair heart as the finisher.

Techniques

「ALÔ, CUPIDO!」 can fly quickly across open spaces, and is able to stay still in midair for precise firing. Her arrows are decorated with wings at the tail, which can flap to stay on course.
Manipulation of the target helps with negotiation or causing surrender, as the stand can't fight on close-quarters.
The user can summon the Stand through their phone, to pick arrows or track targets.

Notes

「ALÔ, CUPIDO!」's weakness is close fighting, due to its ranged nature.
The helmet allows her to track foes using the World Wide Web, harnessing the visual survey of satellites.
She is summoned by a phone call from the user, along with a pose (It's not JoJo without poses, after all).
The Stand has a flirtatious personality, giving off annoying comments on who should be in a relationship.
submitted by Mr_Muckacka to fanStands [link] [comments]


2018.10.05 02:41 DrkSrk -Poesias- (Livro : Ouro Acrético/Minha autoria)

Oceano
Lago límpido
Hábito pouco apreciativo
Ouvinte aceito,criança plena
Sagrada janela de sonhos tema.

Estruturação de uma mente de poucas memórias
Sendo as tais nada além de bons sonhos
Talvez pesadelos numa cortina de fumo e fogo
Razoávelmente sem emoção alguma
Um Diático Ascítrico Sintético Indigno
Também uma vingança de pouco objetivo
Um Cinético energético caótico Místico
Reação violenta ao que persigo
A Moeda tem dois lados mas as Fatias de uma maçã
Contém ainda mais faces desconhecidas num turbilhão
Avermelhado de variáveis e sintetização
O Magnum Opus de um grande Ser Sensação.
De Poucos Fazem-se muitos
E notas não lhes são necessárias
Uma Oração,um sacrilégio silenciado pelas bocas do vento
Maleficência e eficiência em olhos que não enxergam
Ao meu Ouvir,Pois o ver não me é permitido.
Mente,pois,de suas inebriantes propostas
E Sua língua está pregada a suas próprias palavras
Num Fruto De razões Sobrepostas
Término De um domínio de Pregações Severas
E serpenteante Venenosa Obrigação As Tuas Costas.
De quem é a culpa daqueles que não podem ouvir lamentos?
E Talvez não escutam murmúrios lançados a brasa ardente.
Paraíso Perdido de pouca ternura e Banalização
Ouvir Inconsequente,Chorar Sem Olhos,Comer Sem Boca
Um Tato Sem Mãos,Ou O Paladar Sem língua
Conteúdos de um apologético Mistério
A qual se convém a Poucos e jamais aos que testificam
Sapientes subservientes sementes No Plano Cemitério
Mande as mãos que escrevem a fornalha
Então Devorem as cinzas de sua própria falha
Mortificando-se ao justificar erros cometidos por mãos e
O Homem imperfeito nada presente
Retas numa folha de papel sem cantos
Insuperável erradicação fatalista e cataclísmica do
Absurdo fantástico ao que venera-lhe a Mente
Senão o coração A Que Pouco Bate em uma existência Crítica.

P e r o l a s A o s V e n t o s
S e F a z e m S e n t i r
E m o ç õ e s E M o m e n t o s
P a r a R e f l e t i r

Mente perturbada de poucas memórias
Então conturbada com poucas histórias
Nada compara com poucas vitórias
Também maltratada com lágrimas inglórias
E mesmo assim,mente como mente.
Para tudo e para todos deixou de existir
E seu passo frenético de nada se fez
Rotações aceleradas de olhos cínicos
Tomadas por algo apercebível,clínico
Uma manhã,um sonho de enfim se foi
Rota mística de lugar algum
Balões vermelhos que não fazem sorrir
Acrítico,acrílico,acético,Acscendente
Dominós caindo num sonho inconsequente
A fim de que possas enfim,fechar os olhos e.... dormir.

Homem De Poucas Palavras, a um pertenço e Sozinho estou.
Heliocêntricamente Abdicado de meu brilho
Livre Das Amarras Eletrônicas do Martírio
Ambivalente Ator.
E como Metálico,Me comporto em padrões Conhecidos
Agitado Por Imãs Que me põem em linha.
Como Um gênio,Crio Halos Em Meus Tecidos.
Mas Posso Ser Ametal,E não Obedecer as ordens que Continha.
Por Linhas vejo passar um período de tempo
E cada Grupo De Ossos de minha coluna é Alinhado a disposição
Numerado Em Memórias que me trazem a tona,lhes contemplo
Ao que Atomicamente Me Destilei Da raiva E retomei uma nova posição
Sinteticamente colaborado,feito sob medida,incontável
De Muitos Elementos,Balanceado
Ao que Minha valência significa Primeiro,estável
E De vários átomos Posso Me Fazer em liga atado.
Do Raio Que Convêm da tempestade,me Faço Atomico
E Meu Ser,De Alcalino,Se convêm nobre.
Ionificado,Posso Me Tornar Comico
Ser Denso Como ouro,chumbo,ou até mesmo conduzir como Cobre.

Saboreie o retorno a tua ruína
Angustiante procrastinação que o adocica
Nexo ao que prescrito és
Gravado em tenras rochas o faz eterno
Um retorno a alucinação coletiva
E do eterno o material se evidencia.
Numerosas falhas estritas em seu corpo
Escritas na margem do desgosto
Gema dilapidada e escura como a matriz de um segredo
Rota de erros,esculpida de temor e de abominação
O erro do homem se marginaliza numa escada de sangue negro.

As sete horas,o fogo queimou a todos
Mas as chamas saíram de suas bocas
Navios afundaram no álcool em palavras roucas
E o espírito incandescente avaliou-se de fogo
Silencio ecoou pelas florestas pelas bocas queimadas daqueles
Impios,peões de si mesmos ao que afagava-se a balbúrdia
Ao que caíram suas múltiplas cabeças com a espada da angústia
Com o horror que inflamava apartir deles
Olhos sangrando
Gosto rústico de aço e arame
Nomes supondo
Os olhos rutilantes
Sacrilégio ao gosto de rum e aspartame
Tempo que jamais andou durante a passagem
Incendiados por si mesmos,mortos por si mesmos a sua viagem
Conscientes de sua falha,com o arame a volta de seus pescoços
Ao tempo o tempo anda,ao que vivenciam,compostos.

O tempo onde as folhas caem ao chão
Um momento,assopradas pelo vento da unificação
Tanto eu como o destino sabemos desta data
O dia mais importante de minha jornada
No papel está escrito que devo ser como as folhas
Oceano desesperado,de múltiplas escolhas

Achado como aquele que insiste
Homem de miseria num algo que não existe
Lago de minha memoria que persiste
Incomensuravel falha a que caíste

oxɘlʇɘЯ oxɘn mɘƧ oxɘnoɔƨiᗡ oxɘvnoƆ

"Eu sou como fumaça,e passo pelos vãos de teus dedos.
intragável,escapo pelos furos dos potes onde tu me prendes...
improvável,que me catives ao que deixas aberturas por onde eu possa
passar... mas mesmo assim,mutualmente.....
neste enorme jogo de gato e rato ao que tentas me obter,ao que escapo de tuas mãos... somos um e partilhamos da mesma vontade.....
de ter um ao outro,juntos em uma eternidade."

-Réquiem Para o Meticuloso Capitão-
O capitão navega pelos lençóis de água,Desafiando a maré
Tentando buscar e saber ou entender o que é e porque é
O horizonte é equiparável ao pontilhar de sua bússola
Triunfante e exato num oceano de emoção lúcida
O Engatilhar das âncoras, anuncia o destino então alcançado
Torrencialidade em tempestades secas de areia de todo o lado
O Sol então o cumprimenta com severidade em seu calor
Tua alucinação no deserto mostrará quem deve ser a teu valor
O Deserto o chicoteia com ondas de calor escaldante
Tão somente calor enverga aos olhos o pontilhado do horizonte
O seu barco não existe,castigado pelas areias do tempo
Tampouco ao chapéu e âncoras,rasgadas da ilusão pelo vento

O sonhador em sua partida,lembrou-se dos
Segredos que foram enterrados nas nuvens
Orientação que fora feita com líquens
Natureza sólida ao seu redor
Há de haver algo maior e melhor?
Ao que o mundo é belo a tudo o que vê
Do que contêm-se nas gotas de chuva a previsão,prevê
O tempo que sempre andou e sempre irá andar
Regras para um ardor que jamais cessará

Querubins adornam tuas vestes de maneira impronunciável
Uma alva vestimenta perfeita,sob medida volúvel,palpável
E em caminhar-te ao local destinado,as pedras se movem
Ruas se tornam retas e aos velhos se entoa que são jovens
Um ser cujo destino é agradar aos outros,e jamais a si
Bom grado é o que lhe move e gratificação não busca em ti
Inapto ao grande banquete,do lado de fora remanesce
Mas não importa,pois a tudo tem,ao que convêm a ter vem e tem ao que merece

Câncer de suas indústrias que não cessam
Ao tomar vantagem da produção que almejam
Não se importando com o quanto matam
Cerrando os olhos a indiferença que exalam
E ao vapor do trem,as batidas dos carros
Reacendem as brasas dos malditos cigarros
Indicando descaso com a própria vida
Ganhando as custas de gente sofrida
E com muito desgosto
Na palidez do rosto
O que mata não é pessoas,mas o que elas criam,composto

Entretenho-lhe com entrelinhas da alma
Sobriamente apagadas,repulso a calma
Pelos dedos me esvai a vida
E pela mão me esvai a caneta tingida
Louca,vermelha de sangue ao escrever
Horas e palavras sem sentido ao alvorecer
O ponto do fim já vem depressa.
Do tempo me reserva pouco
O vazio do coração me agracia,oco
Psiquê mexida como as notícias que abalam sua vida
Linha retorcida ao que me espera somente o repouso
Alva e com foice afiada e polida
No pescoço pousa e corta a mim,tem bom uso
O tempo não preza,de levar ao que tudo de novo começa.

Obrigações de ouvir sonhos
Barras de ferro não fecham prisão
Riachos não escorrem por canos de diferentes tamanhos
Indiferença ao ouvir minha atenuante razão
Graças a ele podemos ser
Ao ouvir as gotas de orvalho caírem ao relevo
Coração batendo para que haja o florescer
Ao amor que jamais se esvairá com que escrevo
Obrigação é ser,lutar por,viver e assim então,renascer.

Desejo cegar meus olhos para jamais ver
Ensurdecer meus ouvidos para não ouvir
Saciar minha sede de saber palavras de auto preservação
E assim sustentar
Jogos de dualidade ao que a raiva toma a noite
O dia sendo coberto pela macia seda do tecelão.

Rosas sombrias de beleza inigualável
O sonho ambíguo e inseparável
Sensação única e inexorável
Ao manto de pétalas inexplorável
Sagrados gracejos e som inaudível
No lago de seus olhos pesquei
E fisguei a mais bela das rosas de verão
Ganância tê-la só para mim então
Rasurando minha mente com sonhos que nunca serão
A rosa negra que plantou em meu coração
Será lembrança das coisas que virão.

Azul royal brilho salgado
Zumbido angustiado com o gosto de sal
Um mar ríspido de orgulho e mágoa
Languidos a carcaça esmirrada da falha
Royal,imperador absoluto
Oceano impoluto de escolha e resoluto
Yahtzee cruzado,pouco se sabe ao que lhe atravessava
Ao que o mundo que ninguém contava
Labaredas escondidas a sua boca ao que nada falava.
Maestria na obra - supra sumo
Indignado ao conteúdo que consumo
Sonho que teço em minha teia e resumo
Trabalho ao que pouco anseava o amo
Indico com minhas flechas não o cupido mas o sonhador
Com passos lentos presumo e anseio pelo que vem ser,horror
O mundo de caos e linho ao que as flechas apontam a mirar o marcador
Soberano tecido do céu
O véu que cobre o seu rosto intocável
Berílio pó,chumbo corante
E da noite se faz as cinzas cortantes
Retas que não são se tornam,surreal implacável
Amarelo ouro que entorna,e cessa ao que transforma
No mundo,o ideal
O sonho cranial.
Ao que tecem as aranhas
O que encanta as entranhas
Que os ossos não tornem a voltar ao pó de que surgiram
Uma ambientação que não volte a ser principiada no que resumira
E que se tornara e vira.
Os olhos de conhaque brilharam fraco
Imperador e imperatriz,
Mestre e matriz
Príncipe e princesa,rivais por um triz
E os sonhos mirrados são concertados
Retas e linhas são de volta traçados
Ao que nada e tudo se tornam em um
Da dor que tudo sabe se torna sábio de nenhum
Orador da dor
Realidade impossibilitada de existir no ardor
Dera a mim a mão sombria
E a minha face tornara breve o tecido sonhador,e do tecelão que ainda iria
Realizar sua obra,o magnum opus que se tornaria
A realidade que iria vir,e que seria
Adorada e imprescindível
Ordem nesta casa de injustos
Roedores de pés justos
Dentes rasurados ao que malabares robustos
Emaranhados rútilos
Muitas regras ao que o azul royal dera aos seres sustos

Escrevo por poesia pois é minha maneira única
Semblante não o tenho e contemplo do templo a túnica
Corro de vozes e gemidos em onda sônica
Roo minhas unhas em vertigem crônica
E minhas palavras tornam se verso e música,sinfônica
Variações de uma ambientação disposta a ser,harmônica
Ouço a voz retocar me os ouvidos com audição clínica.

Diga-me o que não sei
Da dúvida se faz rei
Dormente nas mãos alguém
De cãibra se faz ser ok.

As engrenagens tem só uma função
Bater e funcionar como um coração
Cordas e válvulas em acordo entrarão
De certo compondo e terminando,sua nobre função.

Eu falo mais por aqui
Uma convivência sozinha e impróspera é tudo o que tenho.
Falo por mim
Ao que meus hobbies não me ajudam a afastar a solidão
Lá do fundo da psiquê a pioram
O que resta de mim então
Mas o que tenho além de suspiros
Ao que meus braços sequer me obedecem
Indo a ser aplacados por um ser invisível
Só me consome por dentro ao que não me apetece
Por
Outros já dei a voz
Roer o céu de estrelas dentro de uma casca de noz
Aqui é meu descanso e destino
Que ficará aqui comigo para sempre,vespertino
Um emblema do sonho quebrado
Ignóbil e mirrado,atado ao desprezado

Procure as você mesmo
Resuma a busca você mesmo
Oculte-se de si mesmo
Cure a ti mesmo
Una se ao mesmo
Resuma a procura pelo mesmo
E encontrará o motivo de ser o mesmo

Ele coordena a vida por parte
Languidamente admira seus livros e arte
E observa os reinos em seu estandarte.

No que deveria sentir me grato. ao que entende que
Algo morrera,preso a máquina
O que se tornara um andarilho de múltiplas facetas
Que sonhos almeja em sua vitrine
Um doce sossego
E um poeril sóbriamente juvenil?
Realizo a mim a escolha que fiz ao sustentar assim o ego
Ver o mundo como eu vejo não é fácil
Eu é que me ato a natureza a que respiro
Ruidosa mente de pouco cria muito.
Olho para ti e lembro deles.
Porém.... o que é?
O o segredo extasiante me põe a prova
Roo as unhas do saber em apreensão
Do que se faz?
O que busca?
Segredos e respostas talvez muito óbvios
Ouvi a sua história
Lhe agradaria ouvir a minha?

Eu me pergunto
Um dia poderão desejos serem realizados?
Tamanha crença nos leva a lugares nunca antes vistos
Ao que muralhas não nos separam dos sonhos.
Lindo ao que o impossível é derrubado e se troca pelo
Verdadeiro.
Eu sei o que busco e espero que um dia...
Zeros tornem se algo novamente e eu possa sonhar como você.

Muitas letras possuo,muita história guardo
Em minhas inúmeras andanças
Morros subi,estradas percorri
Ouvi histórias e as guardei na lembrança
Rios atravessei com meu maquinário
Impios derrotei com meus diálogos
A mim se percorre o dom
Sábio de guardar a memória dos seres em claro e bom tom.

Andava em zona de guerra.
Não havia ninguém nela senão soldados.
Andava com flores.
E eles com armas.
De tanta luta e sangue,o mundo tornou-se sem graça ou vida
E agora,ando com armas em meio as flores
Do contrário não viveria para ver o pôr do sol.

Alguma Vez já lhe disseram que até o futuro tem fim?
Na beira do espaço eu aviso estrelas de sua direção.
Atualmente há mais poeira do que estrelas. talvez assim
Linguagem louca,pare de entoar esta canção
Indico aos fogos e faço fatos
Tato se torna inexplicável num mundo exato
Imito e limito ao prático
Cacos de céu plástico
O Minério Eu desfaço com olhar analítico

Lenda brilhante inalcançável
Um sonhador preso a seu próprio amor a terra.
Ao que busca girar,se equiparar ao astro rei amável

Na escuridão do tecido,o berço de prata não mente ou erra
O turbilhão de estrelas ao sonho escurecido não é afável
Voam,cintilantes,ao destino final,sem paz ou guerra
A torno da majestade dos céus,de brilho emulável.

A natureza dos sábios a trouxe a mim em busca de resposta.

Não sabia o porque queria saber.
As linhas de seu martírio,sobrepostas
Também escondiam feridas incuráveis do viver.
Uma vez,um sábio me disse
Razão nenhuma encontrará nas coisas do ser
E somente ao sentir o universo como sentisse
Zumbidos de fundo,encontraria assim o que procura obter
A não ser que seja para ganho próprio

Da água não vem óleo,transformação não vem só por querer
O sonho do homem não se convêm a si,sóbrio
Somente sendo livre das amarras de si poderá então crer.

Somente abrindo os seus olhos e aspirando o que pode alcançar
A vida então poderá lhe ser tragável
Boa sabedoria que se possa realizar
Indagando por acontecimentos causados por gente afável
O sonho não morre,sendo sustentado pela coluna da vida a laçar
Somente assim o sábio encontrará o fim de sua jornada proposta.

Liso como o papel do qual compõe-se a obra
Escamoso como a pele de uma venenosa cobra
Se tiro do resto nada sobra
submitted by DrkSrk to u/DrkSrk [link] [comments]


2015.11.24 20:35 TheLuy Let's talk about the German translations

Sry for my bad english... if you feel any better: the german in smite is probably as good as my english in this post. :)
Note: "English sound/version", 'German version',
A friend of mine started playing Smite. I play allready for over a year with the english client. Because a year ago, the german translations were really bad. He is german and so he started with the german version, too. But it turned out to be quite difficult to recommend items and other stuff. I switched back to german just for convenience. How bad can it be, right? It turned out: not as bad as a year ago, but still pretty bad.
Let's begin with the god-names.
The playable characters in Smite are all inspired from different Gods (we allready know that), but they are not the actual deity. Why is there a necessity to translate the names? Do you know James Bond? The German version of "James" is 'Jakob'. But who in his right mind would call James Bond 'Jakob Band'? No one! In generall this is about small stuff. "Anhur" -> 'Anhor', "Ao Kuang" -> 'Ao Guang'... But there is "Cupid" -> 'Amor'. Amor is a complete different name! The german wiki-page to Amor ( https://de.wikipedia.org/wiki/Amor_%28Mythologie%29 ) says {Amor, often Cupido or Cupidus...}. Please: decide on a name and stick with it! In all languages.
Next the gamemodes.
Assault is described as '...ein konstantes 5v5 Weggezerre.' <... a constant 5v5 ???> not even google knows this word 'Weggezerre' something with or ? And then some inconsistency with the "lanes": sometimes it is referred as 'Wege' and in an other one as 'Lanes' . I would say it is perfectly fine to call them lanes. It is a MOBA and those terms are better then some strange words that are forced in to german.
Okay! Check for some stuff ingame.
A lot of those MOBA-Terms are involved in VGS or in other announcements. Like "Minions have spawned", "VQN - We need wards!", "VSO - I'm building stacks!", "VVVD - Ultimate is down!". But german people cant undstand minion, wards, stacks or ultimate right? So we NEED to translate it! "Minion" -> 'Diener' , "Ward" -> 'Schutzstein' , "Sentry Ward" -> 'Wachposten' , "stacks" -> 'Stapel' , "Ultimate" -> 'Überkraft' . This is more than just plain unnecessary! I never heard somone refer to a "Ward" with an other name as "Ward". Because those things are translated, I have to think around 3 corners (I can't look for a ward in the searchbar). That is just absurd.
But at least there is the VGS! That is for easy communication beyond those language-barriers, right? Yes and No. Let's have a look on the german version: http://imgur.com/P5evAHa What is the first thing you notice? There are 2 different 'Angriff' one for own attacks and one for incoming attacks. And the whole Ward-thing? First off all here it is called 'Schutzkreis' . Not even consistent with those strange translations? "VQ1 - Ward left!" -> 'Links schützen' . Yeah, I guess a ward is some kind of protection, but again: I have to think around some corners. I have caught myself: I rarely use VGS in the german client. It just goes against logic. In the english Version everything makes sense: Incomming is I, Attack is A, Carful is C. But in the German version everything just switches constantly between logic and forcefully translated. Still: VGS is awesome! But only if you use it in english.
The Problem with 'schützen' 'Schutz, Sprung'. Ares' 2 granting "Protection" - > 'Schutz' . Is it the same kind of protection? One is just vision and the other one is an actual protection-buff. So please change the name of the "ward" to 'Ward'.
What about Item-names?
Specially with Aura-Items, it is nice to arrange an ideal build with other players (not only in Assault). Or with friends to recommend Items! But how am I supposed to ask for an Item if it is called different in every language? I live in Switzerland and I get matched with German, French, Russian, Spanish, Turkish, Polnish and English-speaking gamers. Well basicly with all different languages. Please name the items in all Language the same (example with James Bond) or a possibility to link some items in the chat. It's a pain to describe an item to someone in teamspeak. To a stranger ingame just impossible. Even when they ask for help. Or add a text-command like and it becomes a clickable link in the chat. Or you can see the icon, when you hover over it.
But otherwise is in general everything okay in german? Other forcefully translated parts:
"Dash" -> 'Sturm' . How has a Dash become a strong Wind? Maybe Google-Translate? For my part: a "Dash" tells me way more about a skill than 'Sturm'. 'Sturm' sounds more like Kukulkans 3.
"Fire Giant" -> 'Feuer Riese' .The german word for "Giant" is 'Gigant' so why not just stick with FG? Maybe because the one who translatet it wasn't german and wanted to make it fancy?
"Debuff" -> 'Fluch'. Well okay. Normally "Debuff" is translated to 'Debuff'. Just in at least one case it is called 'Fluch' (in Zeus passive)
"CC" -> 'MK' . CC is Croud-Control. I know not one person who calles "CC" 'MK' (never heard it in a MMORPG either). It is probably short for 'Massen Kontrolle' . But still: it is just confusing. (in Ares 2)
In your Profile: "History" -> 'Verlauf' . In the God-Menu: 'Lore' -> "Geschichte" , "History" -> 'Historie' . 3 Words for 2 different things. Better: "History" => 'Verlauf' ('Verlauf' is also used in context with Browser-History). "Lore" => 'Legende' / 'Überlieferung'
Some skills are still wrong. But I won't list them now. If someone wants to know them let me know and I make a new post about those.
Come on guys! You can do better than that! It's really awkward to see all those errors. It isn't a Beta anymore! It's difficult to get taken seriously when everyone makes fun of you for loving smite, when they just see those cringeworthy translations. ._.
submitted by TheLuy to Smite [link] [comments]


2015.07.04 21:06 Lixus46 NO SE DICE GUEY,SE DICE GAY,así Gay!

Entre 1907 y 1917,ANTONIO MACHADO,escribe CAMPOS DE CASTILLA. En el RETRATO que hace de sí,habla del "gay trinar",alégre trino. Para que no tengais que buscar en su antología ,os invito a leerlo.
Mi infancia son recuerdos de un patio de Sevilla, y un huerto claro donde madura el limonero; mi juventud, veinte años en tierras de Castilla; mi historia, algunos casos que recordar no quiero.
Ni un seductor Mañara, ni un Bradomín he sido —ya conocéis mi torpe aliño indumentario—, más recibí la flecha que me asignó Cupido, y amé cuanto ellas puedan tener de hospitalario.
Hay en mis venas gotas de sangre jacobina, pero mi verso brota de manantial sereno; y, más que un hombre al uso que sabe su doctrina, soy, en el buen sentido de la palabra, bueno.
Adoro la hermosura, y en la moderna estética corté las viejas rosas del huerto de Ronsard; mas no amo los afeites de la actual cosmética, ni soy un ave de esas del nuevo gay-trinar.
Desdeño las romanzas de los tenores huecos y el coro de los grillos que cantan a la luna. A distinguir me paro las voces de los ecos, y escucho solamente, entre las voces, una.
¿Soy clásico o romántico? No sé. Dejar quisiera mi verso, como deja el capitán su espada: famosa por la mano viril que la blandiera, no por el docto oficio del forjador preciada.
Converso con el hombre que siempre va conmigo —quien habla solo espera hablar a Dios un día—; mi soliloquio es plática con ese buen amigo que me enseñó el secreto de la filantropía.
Y al cabo, nada os debo; debéisme cuanto he escrito. A mi trabajo acudo, con mi dinero pago el traje que me cubre y la mansión que habito, el pan que me alimenta y el lecho en donde yago.
Y cuando llegue el día del último vïaje, y esté al partir la nave que nunca ha de tornar, me encontraréis a bordo ligero de equipaje, casi desnudo, como los hijos de la mar.
COMENTARIO DE TEXTO SOBRE EL POEMA
Este poema pertenece al poeta Antonio Machado. Este poema RETRATO que pertenece al poema numero XCVII del libro Campos de Castilla escrito entre los años 1907-1917. Retrata claramente las características principales de este libro que son por ejemplo la descripción, las reflexiones o la decadencia de España.
En este poema el narrador esta en primera persona y representa el mismo Antonio Machado que el relata estos versos desde el más profundo corazón. Machado nos explica como fue su infancia, luego más tarde lo que seria su juventud y lo que él predice de lo que le pasará en el futuro que concluye que será la muerte, esto lo retrata muy bien en la última estrofa donde relata su muerte de forma metafórica.
Podemos considerar que este poema esta dividido en tres partes, las de las tres etapas de su vida. En las dos primeras estrofas nos relata su pasado y sus recuerdos de la niñez de su ciudad natal Sevilla, también su juventud vivida en las tierras de Castilla en realidad su historia y cosas que no quiere recordar como sus desamores. En la segunda parte que va desde el tercer verso hasta el octavo donde explica el presente y se intenta definir sobre que tipo de persona es. Luego en el último verso podemos encontrar de forma metafórica como relata su futura muerte.
En realidad esta historia gira entorno una idea central que seria todo lo que hace referencia al retrato de Machado de cómo a sido su vida lo que esta siendo ahora mismo y que clase de persona es. Lo que podíamos entender como unos subtemas sería lo que hace referencia al pasado, presente y futuro de la vida de Machado y reflejando las distintas épocas de España en las diferentes partes de su vida.
En este poema aparece solo un personaje principal que es Machado, que se auto refleja como un hombre solitario y con algunos desamores en la época de su juventud. Nombra a un amigo suyo y algunos personajes famosos de la época como Mañara y Bradomín.
La historia se sitúa en Sevilla, lo sabemos por la primera frase de la primera estrofa “Mi infancia son recuerdos de un patio de Sevilla”. También nos habla de su juventud en Castilla en la primera estrofa en el verso tres “mi juventud, veinte años en tierra Castilla”. También deducimos si leemos su biografía que Machado también vive en Madrid, París donde tubo amistad con Rubén Darío un escritor del Modernismo, también Soria donde trabajo como profesor en un instituto de francés donde se enamora de una alumna que finalmente se casa con ella.
Por lo que hace al tiempo externo de la acción, trascurre entre el final del siglo XIX y el principio del siglo XX ya que Machado nació en 1875 y murió 1939. Mirando las fechas se sobrentiende que debe transcurrir en esta época ya que retrata su vida propia y no la de ningún personaje inventado o histórico del pasado ni del futuro.
Por lo que hace a la coherencia del texto este poema tiene nueve estrofas con cuatro versos cada una y cada verso tiene catorce sílabas, es de arte mayor y de rima consonante. El primer verso rima con el tercero “Sevilla-Castilla”, el segundo con el cuarto “limonero-quiero”, el quinto con el séptimo “sido-Cupido”, el sexto con el octavo “indumentario-hospitalario” y así sucesivamente podemos decir que hace la siguiente métrica ABAB, CDCD, EFEF…
Al ser un poema podemos encontrar varias figuras literarias como por ejemplo varios Hiperbatones (alteración del orden de los elementos de una frase), versos: 4 “mi historia, algunos casos que recordar no quiero”, 5 “ni un seductor Mañara, ni un Bradomín he sido”, 8 “y amé cuanto ellas pueden tener de hospitalario”, 19 “a distinguir me paro las voces de los ecos” y en el 21 “¿Soy clásico o romántico? No sé. Dejar quisiera.”. También podemos encontrar algunas Antítesis (contraposición significativa de palabras o frases) en los versos: 9-10 “Hay en mis venas… manantial sereno” y en el verso 27 “mi soloquio es plática con este buen amigo”.También encontramos Metáforas en los versos: 15 “mas no amo los afeites de la actual cosmética” y tambien en los cuatro últimos versos que son una metáfora de su vida “Y cuando llegue el día del último viaje,… casi desnudo, como los hijos de la mar”. Para finalizar las figuras literarias tenemos la Comparación (se comparan dos realidades por su semejanza o desemejanza mediante las partículas como, tal, igual que…) en los versos: 16 “ ni soy un ave de esas del nuevo gay-trinar”, 17 “ Desdeño las romanzas de los tenores huecos” y el 18 “ y el coro de grillos que cantan a la luna”.
Por lo que hace al registro lo podemos caracterizar como culto ya que es un poema con muchas figuras literarias.
También hay que decir que en este poema aparecen algunos personajes de la de épocas pasadas como Mañara (Miguel Mañara nació en Sevilla, el 3 de marzo de 1627, hijo de una destacada familia, constituida por oriundos de Córcega, hizo buenas obras.), Bradomín (Hombre conocido como un Don Juan).
En mi opinión este poema al tener la ocasión de trabajar-lo a fondo mediante un comentario de texto, me ha gustado porque al leerlo y analizar-lo a fondo he podido comprender las cosas que muchas veces nos quieren decir los poemas y no las vemos por falta de fijación y de atención. Me ha gustado la manera en que Machado refleja su vida primero desde la infancia en Sevilla, pasando por sus amores de juventud hasta llegar a los días en que se encuentra y se hace preguntas sobre como a sido su vida si a valido la pena o no y si ha sido una persona de buenas obras, hasta nos relata sus pensamientos de cómo será su muerte eso si con un tono irónico mediante la metáfora.
Recomiendo leer este poema a las personas que les guste Machado y aquellas que viven aisladas del mundo pensando en los bienes materiales para que se den cuenta de la vida que había en esa España que parecía que nunca podría avanzaría hasta después de la dictadura.
15 RESPUESTAS A “RETRATO”
6t0 año A de esc nº2 (uruguay) Treinta y Tres. agosto 27, 2009 en 1:55 pm Responder Este poema nos gusto mucho porque habla de su infancia y de la amistad que tenia con sus amigos y familiares.Tambien el amor de su vida es el poema XCVII.
Alejandra mayo 27, 2010 en 5:57 pm Responder creo que donde habla de la estructura, esta confundido, habla de versos, y en realidad es estrofas. Por lo demas perfecto.
txetxe febrero 16, 2013 en 9:21 pm Responder a que te refieres?, señala la zona de la que estás hablando. Gracias.
Elinha1995 diciembre 15, 2010 en 8:46 pm Responder Muy bonito, me ha ayudado mucho a hacer un comentario de texto.
Pepa junio 12, 2011 en 11:42 am Responder Sirve para hacer los trabajos del cole me gusta
raigdefoc febrero 16, 2013 en 9:48 pm Responder Es un trabajo de bachillerato ;)
ivon agosto 6, 2011 en 5:11 am Responder esta cool osea very good oh yes the speak the niñez lo max ok
Anaa :) octubre 3, 2011 en 4:06 pm Responder
Si os gusta no os perdáis esto para adentraros en el poema :) Un comentario excelente
natasa marzo 12, 2012 en 10:35 pm Responder ¿Me podrías decir que es mañara y bradomin? Es un poema muy bonito http://s0.wp.com/wp-includes/images/smilies/icon_smile.gif?m=1336659725g
manuel febrero 28, 2014 en 11:05 pm Responder Miguel de Manara y el Conde de Bradomin figura imaginara, tipo Don Juan, creada por Valle Inclan.
sdfgdfhgh julio 20, 2012 en 8:39 pm Responder siiiiiiiii me gusta
Marisol diciembre 20, 2012 en 2:36 am Responder Me ha gustado. Lo he elegido para leerlo en un recital de poesía sobre el autor.
Mjjjej5 abril 6, 2013 en 4:56 pm Responder Como poema me gusta, pero quien lo escribió tiene muchas faltas de ortografía, algo que en un comentario de texto no debe de haber. Por lo demás está muy bien, me ha ayudado mucho.
manuel febrero 28, 2014 en 11:02 pm Responder Magnífico poema en el que se refleja la profundidad del autor.
antonia abril 8, 2014 en 10:53 am Responder cual es el subtema??
DEJA UN COMENTARIO
¡BÚSCALO!
Buscar: ENTRADAS RECIENTES
¡Pinceladas sobre Antonio Machado! ENLACES
ANTONIO MACHADO Aplicaciones 2.0 LITERATURA CATALANA ETPClot Un xic de poesía catalana Crea un blog o un sitio web
submitted by Lixus46 to podemos [link] [comments]


Amor de Cúpido//#3: Seres Místicos (Gacha Studio) Amor do Cúpido// #5: Briga (Gacha Studio) Cupido_A magia do amor filme completo dublado romântico ... Ménito Ramos - Cupido do Amor (Música do André e da SOfia ... Trailer: Amor de Cúpido (Nova Série!/Gacha Studio) Cupido - No Sabes Mentir - YouTube Cupido: A Magia do Amor (Dublado) - YouTube Joana - O Cupido Do Amor Amor de Cúpido// #1: O Anjo Caído (Gacha Studio) - YouTube

Casamentos Amor Do Cupido Zazzle.com.br

  1. Amor de Cúpido//#3: Seres Místicos (Gacha Studio)
  2. Amor do Cúpido// #5: Briga (Gacha Studio)
  3. Cupido_A magia do amor filme completo dublado romântico ...
  4. Ménito Ramos - Cupido do Amor (Música do André e da SOfia ...
  5. Trailer: Amor de Cúpido (Nova Série!/Gacha Studio)
  6. Cupido - No Sabes Mentir - YouTube
  7. Cupido: A Magia do Amor (Dublado) - YouTube
  8. Joana - O Cupido Do Amor
  9. Amor de Cúpido// #1: O Anjo Caído (Gacha Studio) - YouTube

Trailer. “No Sabes Mentir” single ya disponible: https://umusices.lnk.to/CNSMYD Sigue a Cupido en: Twitter: https://twitter.com/Cupidoamorciego Instagram: https://www... Bom, esse é o primeiro vídeo do canal então... Espero que gostem!! Amor Proibido Entre o Fogo e a Água (Gacha Studio) - Duration: 10:20. PandinhaDK 24,532 views. 10:20. My brothers best friend // GLMM // READ DESCRIPTION - Duration: 9:43. Um amor meio impossível EP. 1 (Gacha Studio/ mini-série) - Duration: 6:43. little lion 431,991 views. 6:43 {MINI FILME 1/5} - Os Opostos Se Atraem (Gacha Studio) - Duration: 3:50. Ménito Ramos canta a música 'Cupido do Amor' (música do André e da Sofia dos MCA) no natal no hospital D. Estefania. Deixe seu like se inscreva no meu canal esse filme é muito bom ótimo para as meninas muito bom eu assisti eu aqui eu sou posto filme bom que eu gosto ️ Hmmm... Acho Que Daisuke E Kaori Tem Um Passado Juntos Mas Não Contam Para Ninguém =w= O Que Será Que A Lys (Eu) Vai Fazer Com Eles? (☞ ͡ ͡° ͜ ʖ ͡ ͡ ... 50+ videos Play all Mix - Joana - O Cupido Do Amor YouTube; Joana - A minha febra é boa (Full album) - Duration: 34:13. Espacial Música 81,643 views. 34:13. Amor ...